Vicente Luque desafia Masvidal e relembra bastidores da confusão do UFC 229

Vicente desponta como uma das promessas do MMA brasileiro – Leandro Bernardes/ Ag Fight

Vicente Luque vive um dos melhores momentos de sua carreira no MMA. O brasileiro, que brilhou ao nocautear Jalin Turner no UFC 229, vem de três vitórias seguidas na organização. No entanto, apesar da boa fase, o meio-médio (77 kg) não figura entre os 15 melhores da categoria. E para mudar esse quadro, o ‘Assassino Silencioso’, revelou em entrevista exclusiva à Ag Fight, que passará a desafiar nomes que aparecem no ranking oficial do Ultimate, para finalmente conquistar seu espaço.

Após o triunfo do último sábado (6), Vicente já possui o primeiro alvo oriundo de sua nova estratégia: Jorge Masvidal, atual número nove no ranking dos meio-médios. De acordo com o brasiliense, enfrentar atletas de renome é fundamental para alcançar um novo nível dentro da organização.

“Um cara que eu venho falando que quero lutar agora é o [Jorge] Masvidal, porque ele não tem luta e quer lutar, e eu estou disposto a lutar, se ele quiser fazer essa luta…. Isso, adoraria uma luta com ele [Masvidal]. O estilo dele casa muito bem com o meu, com certeza vai ter um nocaute em uma luta entre eu e ele, não vai ter como ir para os três rounds. Então é uma luta que todo mundo gostaria de assistir”, projetou Luque

“Sim, com certeza [caso vença o Masvidal, adentraria ao top 15]. Ele é um grande nome, que seria um próximo nível. Ainda não lutei com um cara desse nível, que tenha um nome de expressão digamos assim. Lutei com caras duros, prospectos, pessoas que tem um potencial para ser um ranqueado no futuro, mas ainda não lutei com alguém que atualmente é considerado um futuro campeão, que está ali entre os ranqueados. Então acho que uma luta com o Masvidal realmente me colocaria em outro nível”, opinou o meio-médio.

No entanto, se engana quem pensa que adentrar no ranking do UFC é uma fixação do brasiliense. Vicente deixou bem claro que, apesar de não figurar entre os melhores, se sente tão qualificado quantos os 15 melhores da divisão. O atleta ainda descartou qualquer possibilidade de mudança de postura fora do octógono visando um possível maior prestígio.

“Para mim, o que o ranking oficial está falando não importa, porque eu me sinto um ranqueado. Com certeza gostaria de estar ali oficialmente no ranking mas independentemente disso, de estar ou não, eu me sinto naquele patamar, sou um cara do nível de qualquer um daqueles 15, então vou continuar fazendo as minhas lutas. O critério do UFC é deles, o que posso fazer é continuar fazendo boas lutas como tenho feito, acho que os fãs reconhecem a minha qualidade, eles gostam do meu estilo de luta e vou continuar assim, finalizando, nocauteando, ou fazendo grandes lutas, lutas da noite”, garantiu Vicente.

“Acho que não é meu estilo, meu estilo não é provocar. Recentemente comecei a chamar aquelas pessoas que tenho interesse em lutar. Agora provocar realmente não é meu estilo, então não tem como eu fazer alguma coisa que não seja eu, sabe? Tenho que lutar e ser eu mesmo, os fãs parecem agradados por isso, eles gostam das minhas lutas, então vamos ver o que o UFC vai fazer no futuro”, admitiu o brasileiro, em entrevista exclusiva à Ag Fight.

 

CONFUSÃO NO UFC 229

A última luta do brasileiro foi válida pelo UFC 229, evento que protagonizou cenas de selvageria após o término do combate principal da noite. Sobre o ocorrido, Vicente revelou que ficou surpreso ao presenciar a briga generalizada, porque de acordo com o meio-médio, que condenou a confusão, o contingente e a organização da segurança responsável pelo show era exemplar.

“Não [não vi nada nos bastidores que pudesse anteceder a briga generalizada], pelo contrário. Tinha muito policiamento, vários seguranças. Realmente não imaginava que aconteceria alguma coisa daquele tipo e acho que lá em cima foi um vacilo. A segurança não imaginou que poderia acontecer uma coisa dessas. Ao mesmo tempo, depois que a confusão começou, todo mundo agiu de maneira muito rápida para não deixar aquilo crescer mais. Mas sem dúvidas foi uma coisa muito feia, muito ruim para o esporte. A gente sempre trabalha para mostrar que o MMA não é briga, não é violência, para não promover esse tipo de coisas. Isso acontecer no maio evento do ano é complicado, uma coisa que ninguém queria”, lamentou o lutador.

Ainda sobre o incidente, Vicente revelou que não viu a briga entre as equipes de Khabib Nurmagomedov e Conor McGregor pessoalmente. Isso porque o protocolo do UFC pede que os atletas que já tenham lutado no evento, se concentrem em uma sala até que o show acabe. Portanto, tudo que o brasiliense presenciou foi a correria por parte dos seguranças e policiais presentes na T-Mobile Arena, em Las Vegas (EUA).

“Todo evento [do UFC] sempre tem uma sala com buffet e televisões onde os lutadores ficam. Estava lá dentro assistindo a luta e inclusive, mesmo os atletas que tinham ingresso para ir para a plateia, o UFC estava pedindo para não ir, para ficar mesmo nessa sala. Porque estava muito complicado, os fãs, tinha muita gente. Os irlandeses, tradicionalmente bebem bastante, então tinha muita gente já bêbada e tudo, então eles pediram para os atletas que já tinham lutado ficarem na sala assistindo as lutas de lá. Todos os caras que lutaram estavam lá, esperando o evento acabar para voltar para o hotel, e eu acabei vendo mesmo a confusão pela televisão. O que vi lá atrás [pelos bastidores] foi muita movimentação de polícia e de seguranças mesmo”, narrou Luque.

Aos 26 anos, o Assassino Silencioso é uma das promessas da geração brasileira. Em grande fase, Vicente já indicou qual será sua possível próxima vítima. Resta saber se o UFC vai atender seu pedido e oficializar o confronto entre ele e o americano Masvidal. Ao longo de sua trajetória no MMA, Luque soma 14 vitórias, seis derrotas e um empate.

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.