Vicente Luque admite que não conhecia rival escalado às vésperas do UFC Rochester

O brasileiro fez um combate cheio de reviravoltas no UFC Phoenix – Marcel Alcântara

Escalado para enfrentar Neil Magny no ‘co-main event’ do UFC Rochester, Vicente Luque teve seu adversário substituído às vésperas do show deste sábado (18). No lugar do americano, o Ultimate escolheu Derrick Krantz – que fará sua estreia na organização justamente contra o brasileiro. E, durante entrevista exclusiva à reportagem da Ag Fight, o número 15 do ranking dos meio-médios (77 kg) admitiu que desconhecia seu novo rival.

A declaração é compreensível, já que em situações como essa, nas quais não há tempo de preparação para o duelo, os atletas que costumam aceitar as condições são estreantes que vislumbram um crescimento na carreira dentro do Ultimate. No entanto, no que diz respeito à estratégia para o combate, Vicente garantiu que não deve ter problemas, já que, de acordo com o próprio, Derrick e Magny possuem estilos de jogo semelhantes.

“A verdade é que eu não conhecia ele ainda, nunca tinha visto luta dele. Mas assim que a luta fechou, já peguei várias lutas e assisti. E estrategicamente não muda muito, principalmente pelo fato de ele ser um cara que gosta da trocação, que tem mãos pesadas, mas é um wrestler. Então vejo a luta acontecendo bem parecida. Já imaginava o Neil Magny tentando fazer jogo de grade para tentar anular meu jogo de trocação, e imagino que esse meu novo adversário vai fazer o mesmo, então não muda muito. Mas o biótipo é bem diferente. O Derrick é um cara mais baixo que o Neil Magny, ele é próximo da minha altura. Então, posso fazer um jogo contra um cara que não tem uma envergadura muito maior, vai ser uma luta mais próxima. De certa maneira, é algo até positivo para mim”, afirmou Luque.

Embalado por quatro vitórias consecutivas, o brasileiro, recém-chegado ao ranking do Ultimate, enxergava em Neil – 13º colocado – um rival que o estabelecesse de vez entre os melhores lutadores da divisão até 77 kg. Sem um adversário de renome, isso não será possível, mas, de acordo com Vicente,  o mais importante foi evitar o pior cenário – não entrar em ação neste sábado.

“Com certeza, dá uma afetada no planejamento, principalmente pela questão de visibilidade. A luta contra Neil seria de dois caras ranqueados, então seria um compromisso que iria me promover bastante. Queria ganhar para poder ganhar meu espaço lá dentro do ranking, mostrar que estou preparado. E a partir disso era buscar uma luta contra alguém do top-10. Mas ao mesmo tempo, na minha cabeça, eu acho que era muito importante lutar. Na minha visão o cara que é ativo, é visto lutar, tendo boas apresentações, ganha visibilidade também. Então fiquei muito feliz de conseguirem um substituto. Quando fiquei sabendo que o Neil iria sair, fiquei bem preocupado em não lutar. Fiz um grande camp, estou perdendo peso e estava com muita vontade de lutar. Então foi complicado, mas fiquei feliz que acharam alguém”, opinou o brasiliense de 27 anos.

Ao que tudo indica, a luta de Vicente deve ser mantida como co-luta principal da noite, mesmo com a mudança de rival. E o ‘main event’ do card em Rochester também envolve um brasileiro: Rafael dos Anjos mede forças contra Kevin Lee – que faz sua estreia entre os meio-médios.