UFC 191: Confira nossos palpites para as principais lutas

lineker-riveraO evento não conta com muito apelo midiático, mesmo que tenha uma disputa de cinturão como atração principal, mas o UFC 191, show programado para este sábado (5), tem ingredientes de sobra para garantir um bom entretenimento aos amantes de MMA. Pesos-pesados, trocadores, promessas e nomes consagrados, não são poucas as credenciais da edição. Por isso, vamos aos nossos palpites, sem delongas.

Demetrious Johnson x John Dodson

Possivelmente, a luta entre entre Demetrious Johnson e John Dodson será a grande barbada da noite, mas não por falta de potencial do desafiante, que tem no campeão dos moscas (57 kg) o seu único algoz dentro do octógono do UFC. Acontece que DJ é, de fato, o cara. Com uma mistura rara de jogo de pernas, velocidade, precisão dos golpes, força e wrestling afiado, o campeão deve sobrar (mais uma vez).

Como de costume, seu jogo deve ser traçado para envolver o rival, desgastá-lo o quanto for possível com golpes certeiros e exigir ao máximo do preparo físico, quesito em que ele sobra, e onda mora o perigo, ao menos na teoria, para o potente Dodson que, como diz a regra, tende a perder força e explosão com o passar dos rounds. Ou seja, fugindo da patada atômica do desafiante, o campeão clincha, gruda no chão, levanta, chuta e clincha de novo, quantas vezes forem necessárias para levar, possivelmente, na decisão dos jurados.

Andrei Arlovski x Frank Mir

Rapaz, luta entre peso-pesado é sempre aquela história: quando uma mão entra… Mas, curiosamente, de um lado o bielorrusso Andrei Arlovski esbanja melhor jogo de pernas e refino técnico na trocação, embora um queixo e poder de absorção de golpes duvidoso, enquanto do outro Frank Mir tem chão exuberante (maior finalizador da história da categoria no evento), mas o passar dos anos lhe roubou poder físico fato que, imagino, aumentou suas apostas em busca de uma definição rápida (via mata-cobras) de seus combates.

Por isso, com a loteria em jogo, tenho que apostar de forma racional e optar pelo volume e técnica do sempre rabujento Arlovski diante da potência do americano. Nocaute, possivelmente ainda no primeiro assalto.

Anthony Johnson x Jimi Manuwa

O duelo entre os meio-pesados (93 kg) é de encher os olhos. Técnica, poder de nocaute, explosão e instinto assassino são características de ambos, o que pode ser visto pelo currículo dos envolvidos, Mas acontece que, colocando cada um dos itens citados lado a lado, a vantagem é de Anthony Johnson, que tem tudo para sobrepujar o duro Jimi Manuwa.

O inglês, por sinal, tem ferramentas para endurecer o combate. Evitar o corpo a corpo, trabalhar com chutes baixos e apostar na manutenção de distância como forma de evitar os cruzados mortíferos do rival deve ser uma boa tática mas, no entanto, com tempo de luta superior, AJ deve achar o caminho e, se não inventar de jogar para garantir a vitória a todo custo (visto que vem de derrota), anotar um novo KO.

John Lineker x Francisco Rivera

Facilmente um TOP 3 dos pesos-moscas (57 kg), John Lineker passará a ser o menor entre os galos (61 kg), território onde encontrará rivais com maiores poder de calibre do que na divisão de baixo e com poder de absorção melhor pra lidar com seus temidos ganchos de esquerda.

Dito isto, serei cético quanto à reestreia do brasileiro na divisão em que se tornou campeão no Jungle Fight anos atrás. Maior, com mais envergadura, acostumado a atuar nesta divisão e com o preparo físico em dia, Rivera deve ser um desafio maior do que o boxe afiado de Lineker deve aguentar neste sábado, e prevejo uma vitória americana por pontos.

Jéssica Andrade x Raquel Pennington

Poucos lutadores evoluíram tanto em tão pouco tempo como a brasileira Jéssica ‘Bate-Estaca’, que poderá colocar isso à prova em uma revanche contra Raquel Pennington. Se no primeiro encontro a paranaense venceu por decisão dividida, a tarefa deve ser consideravelmente mais fácil.

A começar pela força física aliada ao ground pound bem trabalhado, armas que podem dar trabalho para praticamente todas as rivais da ainda carente divisão dos pesos-galos (61 kg). Com poucos nomes de real expressão o topo, Jéssica pode muito bem fazer sua carreira com calma lutando om atleta menos ranqueadas, como Raquel, e ganhar tempo para evoluir tecnicamente, como tem feito. Vitória por pontos da brasileira após mais um show de agressividade.

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.