Treinador revela ansiedade de ‘Bate-Estaca’ em derrota e prevê cautela em caso de revanche

Gilliard ‘Paraná’  (à direita) é responsável pelos treino de Jéssica ‘Bate-Estaca’ – Diego Ribas

Em sua primeira defesa do cinturão peso-palha (52 kg), Jéssica ‘Bate-Estaca’ acabou derrotada por Zhang Weili na luta principal do UFC China, realizado no último sábado (31), em apenas 42 segundos. Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight, Gilliard ‘Paraná’ – líder da equipe ‘PRVT’ e mentor da ex-campeã – analisou a derrota de sua pupila e aproveitou para projetar o que seria feito diferente em uma possível revanche.

O precoce nocaute sofrido por ‘Bate-Estaca’ gerou questionamentos quanto ao ímpeto inicial da atleta, especialmente após a lutadora sofrer um primeiro golpe contundente e não recuar para se recuperar. Até mesmo Pedro Jordão, responsável pelos treinamentos de jiu-jitsu da chinesa, admitiu – em entrevista ao site ‘MMA Fighting’ – que se surpreendeu com a postura adotada por Jéssica. Apesar de concordar que sua discípula deveria ter iniciado o combate com mais cuidado, Gilliard ‘Paraná’ explicou que não foi uma escolha, mas sim uma consequência.

“Eu acho que ela poderia ter começado a luta estudando um pouco mais a Zhang. A gente treinou novas sequências para ela começar o combate, chutando um pouco mais, para quando o espaço aparecesse imprimir a agressividade, mas ela acabou ficando ansiosa. Como a Jéssica nunca levou um knockdown na academia, e muito menos nas lutas, a confiança que ela tem no queixo é enorme. Não acho que foi um erro, até porque sempre deu certo esse jeito que ela parte para cima das meninas. Assim como ela foi nocauteada, ela poderia ter nocauteado”, declarou o ‘Mestre Paraná’, antes de comentar sobre as críticas sofridas por Jéssica.

“Quem assiste de fora acha que ela insistiu no erro, mas não foi o caso. No primeiro golpe da Zhang Weili, a Jéssica já sentiu e entrou no automático. Não dando desculpas, mas também entraram algumas cotoveladas na nuca, que com certeza prejudicaram a recuperação dela. Eu entendo o que o treinador da Zhang está falando e outras pessoas também, mas a verdade é que quando entrou o primeiro golpe a Jéssica deu uma amolecida e quando ela agarrou para se recuperar, levou umas cotoveladas na nuca. Não foi insistir no erro, era a única possibilidade que ela teve ali naquele momento”, completou ‘Paraná’ em conversa exclusiva com a reportagem da Ag. Fight.

Ao ser questionado sobre o que mudaria na estratégia de luta adotada por ‘Bate-Estaca’ em uma possível revanche contra a campeã chinesa, o líder da equipe ‘PRVT’ admitiu que seria prudente adotar uma postura mais cautelosa. O treinador aproveitou para detalhar o que seria feito por sua aluna em um segundo confronto contra Zhang Weili, para que dessa vez o resultado positivo viesse para o lado da brasileira.

“Em caso de revanche a gente teria mais cautela. Acho que a própria Jéssica entendeu que contra a Zhang o jogo precisa ser mais cauteloso. Mas eu creio que na hora que a Jéssica achasse a distância, ela poderia fazer um jogo um pouco mais voltado para a luta na grade e quando a chinesa cansasse os braços, ela poderia entrar em uma trocação franca para nocautear. Foram os primeiros golpes da luta que derrubaram a Jéssica, e eles são sempre mais potentes”, explicou o líder da ‘Paraná Vale Tudo’, que completou o raciocínio com uma constatação e uma promessa.

“(Essa derrota) Não foi nem um aprendizado, mas uma constatação. Uma constatação de que luta é luta e nunca se deve subestimar ninguém. Nunca devemos achar que nada pode dar errado. Mas a Jéssica vai voltar mais forte e, com certeza, vai ganhar muito mais do que perder na caminhada dela”, finalizou Gilliard ‘Paraná’.

Apesar de ter aceitado colocar seu título em jogo contra Zhang Weili na casa da desafiante, Jéssica ‘Bate-Estaca’, aparentemente, não receberá o direito à revanche logo de cara. A lutadora americana Tatiana Suarez é um dos nomes mais fortes especulados como primeira desafiante ao cinturão peso-palha em poder da chinesa.