TJ Dillashaw é suspenso por dois anos após flagra com ‘droga de Lance Armstrong’

TJ foi obrigado a renunciar ao cinturão quando anunciou seu doping – Dan Wainer/Ag Fight

A USADA (agência antidoping americana) anunciou nesta terça-feira (9) a suspensão aplicada a TJ Dillashaw pelo doping detectado em exame coletado antes da luta contra Henry Cejudo. O agora ex-campeão peso-galo (61 kg) vai ficar dois anos suspenso do UFC. A substância encontrada em seu corpo foi a eritropoetina (EPO).

Trata-se de um hormônio que tem como função estimular a produção de glóbulos vermelhos. Por esta razão, tem como efeito principal uma melhora significativa na capacidade cardiorrespiratória do usuário. A droga ficou mais conhecida quando teve sua utilização admitida pelo ciclista Lance Armstrong, em um dos escândalos de dopagem mais famosos da história do esporte. No Ultimate, TJ é o segundo atleta a ser flagrado pela USADA com eritropoetina em seu corpo: o primeiro foi Gleison Tibau, em 2016.

Em comunicado enviado à imprensa, o vice-presidente de Saúde e Performance do UFC, Jeff Novitzky, explicou o porquê de ter sido aplicada a TJ a maior punição possível para um teste positivo de um atleta primário – isto é, não reincidente. Segundo ele, no quesito intensidade da melhoria de performance, a EPO é praticamente o limite máximo possível.

“Sou bastante familiarizado com a EPO por causa dos meus tempos investigando equipes profissionais de ciclismo. Trata-se de uma substância muito efetiva. Não é uma substância que você encontra em suplementos contaminados; é apenas injetável. Você tem de saber o que está fazendo quando ela entra em seu corpo. Em uma escala de gravidade em antidoping, é próximo do topo”, declarou, em entrevista ao site da emissora americana ‘ESPN’.

O diretor-executivo da USADA, Travis T. Tygart, reforçou o ponto de vista de Novitzky. Na nota oficial da entidade, o dirigente declarou que tentativas de trapaça nesta magnitude precisam ser punidas com rigor.

“Todos nós sabemos que as pressões para vencer em todos os níveis de todos os esportes são reais e intensas. É exatamente por isso que esforços fortes antidopagem são necessários para proteger o direito, a saúde e a segurança dos atletas limpos, e para garantir que aqueles que sucumbem a estas pressões e decidem quebrar as regras serão responsabilizados de maneira real e significativa, como neste caso”, analisou.

A punição é retroativa a 18 de janeiro de 2019, véspera da luta contra Henry Cejudo, quando o exame foi feito. Na ocasião, Dillashaw desceu para os moscas (57 kg) para tentar conquistar o seu segundo cinturão, mas foi nocauteado ainda nos primeiros segundo de combate.