Poliana Botelho revela detalhes da ‘dança das cadeiras’ do UFC 236; entenda

Poliana Botelho voltará ao octógono mais famoso do mundo em abril – Leandro Bernardes

Após ficar temporariamente sem adversária para o UFC 236, Poliana Botelho foi agendada para enfrentar Lauren Mueller no evento que ocorrerá no dia 13 de abril, em Atlanta (EUA). Isso porque a brasileira lutaria contra Paige Vanzant, mas o Ultimate optou por mudar a adversária da americana de última hora.

Conforme revelou à Ag Fight após apuração com fontes próximas ao evento, VanZant foi escalada contra Montana De La Rosa e Poliana ficou temporariamente sem adversária, antes de ser agendada contra Mueller. Porém, uma nova dança das cadeiras deve acontecer entre as pesos-moscas (57 kg), já que, nesta sexta-feira (1º), Paige anunciou que fraturou o braço. E isso, muitíssimo provavelmente, vai impedir ’12 Gauge’ de competir no evento previsto para abril, conforme relatou Poliana, em entrevista exclusiva à Ag. Fight.

“Na verdade, a luta estava praticamente fechada contra a Paige, acho que faltava só eu assinar o papel. Mas, depois de uns três dias que eu já sabia da luta, já tinha soltado até no Instagram, e as pessoas já tinham postado e tudo, o Dedé (Pederneiras, empresário e treinador da Poliana) veio me falar que ela saiu fora porque o braço dela estava machucado. Porém, logo em seguida, eu vi que ela postou que estava esperando por luta”, contou.

“Eu fiquei sem entender e depois ela foi agendada no mesmo dia com a outra garota. Não sei o que houve. (…) Quando tiraram ela, dissemos que até poderíamos esperar, mas eles não souberam informar quando ela poderia retornar. Então, dissemos que poderiam me agendar com outra pessoa então, aí botaram a Lauren”, completou.

Contra Mueller, Poliana fará a quarta luta no UFC, mas será a sua estreia na categoria dos moscas. A ex-peso-palha (52 kg) emendou duas vitórias após estrear na organização, em outubro de 2017, mas sucumbiu diante de Cynthia Calvillo, em novembro último. E a derrota parece ter servido como motivação para ela refletir sobre os malefícios do corte de peso, já que tomou a decisão de migrar para a divisão de cima.

“Eu ficava o tempo inteiro pensando em peso. Eu falava que tinha que treinar porque tinha que perder peso. Hoje, não. Eu tenho que treinar porque tenho que melhorar. Hoje o peso não é um problema. A estrutura do meu corpo é a ideal para 57 kg. (…) Eu sou uma lutadora grande. Eu forçava muito para alcançar os 52 kg. Ficava muito debilitada nos treinamentos, em tudo, por conta de perder muito peso”, explicou.

“Na categoria de cima, elas são mais pesadas do que as de 52 kg, de fato, mas a minha estrutura óssea é para 57 kg. Então, eu vou ficar tão forte quanto elas. Eu não sou pequena e estou subindo para 57 kg. Eu sou grande e desci para 52 kg. (…) Agora eu posso fazer mais lutas, por conta do peso, porque nos 52 kg eram, no máximo duas (por temporada). E já não me sentia muito bem. Então, eu quero fazer três lutas (em 2019)”, concluiu.

Aos 30 anos, Poliana somou, até então, um retrospecto de sete vitórias e duas derrotas desde que se profissionalizou como atleta de MMA. Já sua próxima oponente, Lauren Mueller, contabiliza um cartel de cinco triunfos e apenas um revés. A americana foi contratada pelo UFC após se destacar na edição americana do programa ‘Contender Series’ e terá, contra a brasileira, o seu terceiro desafio no Ultimate.

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *