Marlon Moraes questiona ‘boa vontade’ de T.J. ao abrir mão do cinturão: “Foi esperto”

Marlon Moraes vem de vitória sobre Raphael Assunção – Leandro Bernardes/Ag Fight

Nesta quarta-feira (20), os fãs de MMA acordaram com uma verdadeira bomba. T.J. Dillashaw, campeão dos pesos-galos (61 kg) do UFC, anunciou que foi flagrado em um exame antidoping. E, em sinal de respeito aos demais atletas da divisão, o americano resolveu abrir mão do cinturão enquanto resolve seu drama profissional. No entanto, o gesto, a princípio nobre, não convenceu a todos.

Marlon Moraes, atual número 1 do ranking, conversou com a equipe de reportagem da Ag Fight e afirmou que o anúncio de Dillashaw não passou de uma forma do atleta sair bem de uma situação adversa. De acordo com o brasileiro, o campeão apenas antecipou uma notícia que seria inevitável – ter seu cinturão destituído pelo Ultimate.

“Fiquei surpreso com a notícia, dele ter caído no doping, não esperava, depois de tanto tempo. Foi uma surpresa. Ele é um grande lutador, grande atleta, foi um grande campeão para essa categoria. Mas, mais uma vez eu achei que ele tentou sair bem dessa situação. Esse fato dele estar abrindo mão do cinturão, ele foi só esperto, porque ele devia ter recebido mensagem do UFC, da USADA dizendo que iam tirar o cinturão dele, aí se aproveitou da situação, antecipou tudo, para sair bem na fita. Mas a gente não é idiota, a gente está nesse meio, entende disso tudo”, ironizou ‘Magic’, como é conhecido, antes de projetar seus novos alvos na categoria.

“Vejo o futuro da divisão – tem alguns desafiantes aí -, me vejo como o número 1. Vamos ver com quem eles vão me botar para lutar. Tem o Pedro Munhoz, tem o Sterling, tem o Cejudo também que é uma outra opção. Vamos ver qual o plano do UFC, o que vai acontecer. E o mais importante é eu estar preparado para ir lá, me tornar o campeão dessa categoria e levar esse cinturão para o Brasil”, concluiu o atleta de Nova Friburgo.

Marlon é o atleta mais bem encaminhado para uma disputa de cinturão. Portanto, é possível que tenhamos um duelo brasileiro pelo título dos pesos-galos – caso Munhoz seja escalado. Embora não seja uma possibilidade distante, há outra opção de maior calibre: a realização de uma superluta entra Moraes e Cejudo pelo reinado da categoria até 61 kg.

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *