Lutador do UFC explica discurso motivador após vitória no card da Austrália; entenda

Shane Young explicou o surpreendente discurso após o triunfo – Reprodução/Instagram

Shane Young conquistou, no último sábado (9), sua segunda vitória no Ultimate ao derrotar Austin Arnett por decisão unânime. No entanto, o que mais chamou atenção nesse combate foi o discurso pouco convencional do neozelandês após a luta. O peso-pena (66 kg) aproveitou seu momento ao microfone para tentar quebrar o paradigma do lutador ‘durão’.

O atleta tocou em um tema raramente abordado no mundo do MMA: saúde mental. E, três dias após o UFC 234, durante entrevista ao site ‘MMA Junkie’, Young revelou o que o motivou a dar aquele discurso após sua vitória: um histórico de suicídio entre jovens da Nova Zelândia.

“Acho que como neozelandeses, somos um bando de guerreiros e todos nós curtimos a cultura das lutas. Para alguém vir aqui como um lutador e falar: ‘Eu choro, e eu cuido da minha saúde mental, e converso com homens, falamos sobre nossas emoções’. Saibam que não tem nada de errado nisso. Se eu choro e fico mais forte depois disso, qualquer um também pode. Você não precisa ser um lutador do UFC para ser durão”, afirmou Young logo após sua vitória em Melbourne (AUS).

Já na última terça (12), ao ‘MMA Junkie’, o peso-pena justificou. Ele explicou que é necessário conscientizar a população para o problema, que tem acometido pessoas cada vez mais jovens. Para Young, é preciso inspirar ou oferecer oportunidades para quem enfrenta dificuldades psicológicas.

“Eu continuarei falando sobre isso até que esse quadro se reverta. Sei que ano passado duas crianças com menos de 13 anos se mataram. Isso é mais real que o UFC, p****. Se algumas criancinhas estão tirando a própria vida por causa das circunstâncias que estão passando, por que estou aqui ganhando 100 mil dólares em uma luta? Prefiro dar a essa criança uma chance, ou dar a ele ou ela algo para se inspirar”, afirmou.

De acordo com o Ministério da Justiça neozelandês, no período de 12 meses entre 2017 e 2018, 668 pessoas se suicidaram no país. Este foi o número mais alto desde que o índice começou a ser contado, dez anos antes e o quarto crescimento anual consecutivo.