Johnny Walker minimiza lesão no ombro e pede por mais cinco lutas em 2019

Devido à lesão, Johnny teve que se amparar em um companheiro de equipe – Rigel Salazar

Logo após anotar o terceiro nocaute consecutivo no UFC, Johnny Walker deslocou o ombro ao comemorar a vitória sobre Misha Cirkunov, esse sábado (2), em Las Vegas (EUA). Apesar do imprevisto, o meio-pesado (93 kg) garantiu que pretende retornar ao octógono o mais rápido possível, já que estima lutar mais cinco vezes em 2019. No entanto, por precaução, ele contou que fará repouso até obter uma avaliação mais detalhada da lesão.

Em conversa com jornalistas após o UFC 235 – que contou com a presença da Ag. Fight -, Johnny deu maiores detalhes sobre a contusão. E, apesar de a comemoração não acontecer do jeito que ele gostaria, o triunfo em apenas 38 segundos lhe rendeu o bônus de ‘Performance da Noite’, no valor de 50 mil dólares (em torno de R$ 188 mil), prêmio que também ganhou nas outras duas participações no Ultimate.

“Desloquei o ombro na hora da comemoração, mas ele já voltou para o lugar sozinho. Mas ficou dolorido, agora vou tentar recuperar. Não está doendo, mas vou fingir que eu machuquei para ficar quietinho e recuperar o mais rápido possível. Porque se eu achar que não está machucado, pode ser que machuque mais ainda, se eu continuar forçando (…) Se não for nada sério aqui, eu estou pronto. Luto o mais rápido possível. Só marcar, que eu vou (…) Quero lutar pelo menos mais cinco vezes esse ano”, projetou.

Walker estreou no UFC novembro, após se destacar no programa ‘Contender Series Brasil’. Deste modo, ele entrou no octógono três vezes em um período de pouco mais de quatro meses. E, apesar de ter conquistado todas as vitórias no Ultimate ainda no primeiro round, ele garante que seu tempo de preparação é realmente curto, quando comparado com a maior parte dos outros atletas da organização.

“Não tenho lesão, estou forte, saudável, novo… Aproveitar a minha idade, né? Daqui a pouco, quando eu ficar velho, vou querer lutar mais não. (…) Eu estou pronto, só tenho que dar uma afiada no gás, na técnica… E isso a gente vai fazendo de luta para luta (…) Acho que o camp ideal, se o cara se mantém ativo, é um mês, um mês e 15 dias”, explicou

“É o tempo ideal para o cara que se mantém ativo. Mas, para os caras que ficam relaxados, gordos, comem um monte de besteira, param de treinar, precisam de mais tempo. Eu não. Estou sempre ativo, malhando, correndo, fazendo alguma coisa. Então, o camp ideal para mim é esse”, completou.

Aos 26 anos, Johnny já aparecia em 15º lugar no ranking dos meio-pesados antes mesmo de se apresentar nesse final de semana. E, com o novo nocaute, é provável que ele suba algumas posições na próxima atualização da lista. Ao longo da carreira profissional como atleta de MMA, Walker somou, até então, 17 triunfos e três derrotas no cartel.

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *