Joanna Jedrzejczyk afirma que ‘previu’ derrota de ‘Bate-Estaca’; entenda

Mesmo depois de perder o cinturão dos pesos-palhas (52 kg) do UFC, Joanna Jedrzejczyk ainda é uma das lutadoras mais importantes da categoria. A quinta colocada do ranking vai enfrentar Michelle Waterson no dia 12 de outubro, mas já está de olho em uma disputa de cinturão contra Weili Zhang. Segundo a ex-campeã, mesmo antes de a chinesa destronar Jéssica Andrade, já estava claro que a brasileira não conseguiria ir longe como detentora do cinturão.

De acordo com a polonesa, a junção de dois fatores fizeram com que esta ‘previsão’ fosse feita. Primeiro, a qualidade de Zhang, striker dinâmica e com potência nos golpes; em segundo lugar, a preparação de Jéssica. Jedrzejczyk afirmou que, ao assistir ao treinamento da brasileira, não notou a qualidade necessária para uma campeã se manter no topo.

“No dia anterior da luta entre Andrade e Zhang, eu disse que a luta acabaria no primeiro round e que eu colocaria meu dinheiro em Zhang. Sei quão forte Jéssica Andrade é, e eu fiquei surpresa com quão grande Weili Zhang é. Jéssica Andrade é meio baixa, mas é muito musculosa; é uma garota grande para a divisão dos palhas, mas Weili Zhang é muito forte, tem grandes armas. Quando eu vi Jéssica treinando para a luta nas redes sociais dela, eu não fiquei nada impressionada. Eu fiquei tipo: ‘M***, se ela quer defender o cinturão, ela deveria fazer mais’, e ela não fez isso”, declarou, em entrevista ao podcast ‘Eurobash’.

A agora campeã Zhang afirmou, antes da luta contra Jéssica, que todas as outras atletas do topo do ranking haviam recusado enfrentá-la. Jedrzejczyk confirmou que ela rejeitou um combate contra a chinesa – e não apenas uma vez. Mas alegou que teve um bom motivo para isso.

“Ela é boa, mas a verdade é que eles me ofereceram a luta com Weili Zhang três vezes antes daquela luta, e a coisa é: ela precisava de mim. Ok, ela é a campeã agora, então pode parecer que ela nunca precisou de mim para se tornar alguém. Às vezes, as pessoas ficam tipo: ‘Agora você sabe quem ela é?’ Claro que eu sei quem ela é, mas eu luto no octógono, sabe? Sou uma atleta profissional, uma mulher de negócios e sei quem eu sou. Não luto no Twitter”, ponderou.

“Se outras lutadoras me desafiam, eu gosto, porque sei que estou em uma posição forte. Por que elas estão me desafiando? Porque elas sabem que eu posso levá-las a um outro patamar. Talvez elas possam dar sorte e vencer uma ex-campeã, uma campeã dominante, o que eu fui. Conseguir mais dinheiro, mais exposição. Claro, eles me ofereceram Weili Zhang, mas meu objetivo era lutar pelo cinturão. Eu assumi meu lugar, agora vou enfrentar Waterson e então vou para o cinturão. Devagar, passo a passo, vou atingir meus objetivos e meus sonhos”, completou.

Joanna tem 32 anos e foi a campeã mais longeva dos pesos-palhas. Ela reinou entre 2015 e 2017, até ser nocauteada por Rose Namajunas. De lá para cá, ela perdeu a revanche para a americana, recuperou-se ao derrotar Tecia Torres e foi superada por Valentina Shevchenko na disputa do cinturão dos moscas (57 kg).