A relação entre técnico e atleta de MMA costuma ser bem íntima e confiável. No entanto, nem sempre as partes se encontram em sintonia e desentendimentos e 'rachas' acabam ocorrendo. O mais recente deles foi o de Johnny Walker. Sensação nos meio-pesados (93 kg) do UFC, o brasileiro revelou, em entrevista exclusiva à Ag Fight, que Leonardo Gosling, seu antigo treinador, deu um 'calote' nele. De acordo com Walker, o valor do prejuízo girou em torno de 30 mil dólares (cerca de R$ 123 mil). O incidente foi a gota d'água para o fim de uma relação já turbulenta com o treinador. Atualmente, o brasileiro se encontra sem 'head coach', mas já tem dois alvos em mente: Firas Zahabi e John Kavanagh. Confira também outros brasileiros que romperam seus vínculos com seus respectivos treinadores - Jason Silva/PXImages
Outro caso famoso é o de Vitor Belfort. Quando ainda jovem promessa do MMA, o brasileiro era pupilo de Carlson Gracie. A relação entre os dois era tão íntima que o saudoso membro da família mais tradicional do jiu-jitsu, ao levar Vitor para os EUA, cogitou adotar o então jovem para que Belfort competisse com o sobrenome Gracie. No entanto, anos depois a relação entre os dois se desgastou e ambos se desentenderam em duas oportunidade - a última delas, em definitivo - Diego Ribas
Revelada pela equipe 'Kimura', Claudia Gadelha se mudou para o Rio de Janeiro para treinar na Nova União, já que as duas academias tinham uma parceria na época. Após anos treinando na nova casa, a peso-palha, no auge de sua carreira no UFC, se desentendeu com 'Dedé' Pederneiras, líder na Nova União, e se mudou do Brasil para treinar nos EUA - Diego Ribas
Outra brasileira que rompeu seus laços com uma equipe foi Bethe Correia. A peso-galo (61 kg) treinava na academia 'Pitbull Brothers', onde ganhou o apelido de 'Pitbull', que carrega até hoje em sua carreira. No entanto, após um racha na equipe, Edelson, um dos treinadores de boxe do time, foi afastado. Edelson é o namorado de Bethe e a brasileira optou por também deixar de lapidar suas habilidades na academia. Com a mudança, Correia foi treinar nos EUA, na equipe 'AKA', onde o ex-campeão do UFC Daniel Cormier treina - Fábio Oberlaender
Outro caso para lá de polêmico foi o de Paulo 'Borrachinha'. Após sua participação no UFC Nova York, em 2017, o brasileiro teria sido chantageado por uma dos seus treinadores, que o filmou fazendo uso de soro intra-venoso. O atleta não pagou a quantia pedida, demitiu o técnico de boxe e até hoje não revelou seu nome. Depois que o vídeo se tornou público, o peso-médio (84 kg) pegou um gancho de seis meses com a USADA - Diego Ribas
Outro brasileiro que rompeu laços no auge foi Rafael Dos Anjos. Após se tornar campeão peso-leve (70 kg) do UFC defendendo a equipe 'Kings MMA', o lutador se desentendeu com Rafael Cordeiro, líder e técnico do time. Depois do afastamento, 'RDA' manteve seus treinos nos EUA, mas seu 'head coach' passou a ser Jason Parrillo - Diego Ribas
Além de Gadelha, outros atletas também romperam com Dedé Pederneiras e a Nova União. A equipe do RJ tinha uma parceria com o time 'Kimura', já que seu líder, Jair, foi aluno de Pederneiras. Desta forma, diversos talentos lapidados por Jair faziam um 'intercâmbio' na Nova União a fim de galgar nos maiores eventos de MMA do planeta. Nomes como Renan Barão e Jussier 'Formiga'. Entretanto, eventualmente a boa relação entre as academias terminou, e, consequentemente, os atletas revelados por Jair, como Renan Barão, deixaram de treinar na Nova União e buscaram abrigo em outros times, sobretudo nos EUA - Leandro Bernardes/PXImages