Demian Maia deve pendurar as luvas após sua próxima luta – Carlos Antunes

Com 42 anos, Demian Maia já adiantou que sua carreira no MMA está perto ao fim. Apesar de admitir que poderia mudar de ideia, caso acontecesse alguns fatos, o paulista viu seus planos de tentar prolongar sua trajetória na modalidade ser atrapalhado. No último sábado (14), o faixa-preta de jiu-jitsu foi nocauteado por Gilbert ‘Durinho’, no UFC Brasília. Com sua sequência de três vitórias interrompida, o atleta voltou a mencionar sua aposentadoria e contra quem gostaria que ela acontecesse.

Em conversa com a imprensa após o evento, com presença da reportagem da Ag.Fight, Demian, que só tem mais uma luta em seu contrato com o Ultimate, revelou que seu próximo compromisso deve ser o último da carreira. O lutador, que não era nocauteado desde 2009, quando foi superado por Nate Marquardt, elogiou seu rival e lamentou uma nova derrota dessa maneira.

“Provável que sim (que só faça mais uma luta e aposente). Eu me sinto muito bem, hoje foi uma das lutas que me senti melhor na minha vida. Mas quanto mais você luta, mais aumenta a chance de ser pego com um golpe no lugar certo. Pegou aquele golpe que não vi. Foi um knockdown clássico, ele teve presença de espírito boa de começar a bater para o juiz interromper, mas só quem luta que pode se colocar nessa situação. Uma hora acontece. São quase 40 lutas, só tinha acontecido uma vez, há mais de dez anos. Hoje infelizmente aconteceu de novo”, contou.

Com a ideia de pendurar as luvas após sua próxima luta, Demian fez questão de mencionar quais adversários seriam interessantes para sua última apresentação dentro do octógono. Um rival seria Diego Sanchez, contra quem pretende lutar faz tempo. Já o outro seria Donald Cerrone por um motivo histórico.

“Tem duas lutas: uma é o Diego Sanchez. A gente vem falando faz tempo, tem uma história, ele me pediu essa luta. Faz uns três anos que a gente fala dessa luta, eu quero, ele quer, mas eles (UFC) não casam. Gostaria que fosse minha última luta. Outra é o próprio (Donald) Cerrone, porque é um cara que está com uma vitória a mais que eu (na história do UFC), acho que teria um apelo de mídia”, disse, antes de adiantar qual local que gostaria de se aposentar.

“Acho que no Brasil. Não precisa ser em São Paulo (em evento programado para o dia 9 de maio), mas no Brasil estaria bom. Se fosse o Diego, poderia lutar em São Paulo. Em novembro (show escalado para acontecer no Rio de Janeiro), lutaria com certeza (com qualquer um). Em maio, agora, se me dessem o Diego, acho que eu lutaria sim”, completou.