De olho em luta com Jon Jones, Johnny Walker se diz dividido em relação a ‘Marreta’

Johnny Walker deixou clara a sua vontade de encarar o campeão Jon Jones – Fábio Oberlaender

Johnny Walker ganhou um lugar de destaque na divisão dos meio-pesados (93 kg) do UFC após os três nocautes consecutivos que aplicou desde que estreou na organização. Atual 12º colocado da categoria, o brasileiro mira alto e promete bater o atual campeão, Jon Jones. Mas, para ter a oportunidade de desafiar o americano pelo título, ele teria que torcer contra o compatriota Thiago ‘Marreta’.

Isso porque, no dia 6 de julho, ‘Marreta’ tem encontro marcado contra Jones em Las Vegas (EUA) em duelo que pode mudar sua vida. Afinal, caso conquiste a vitória, Thiago será o primeiro lutador a bater ‘Bones’, já que a única derrota no cartel do campeão dos meio-pesados ocorreu por desclassificação, contra Matt Hamil em 2009. Deste modo, Johnny se diz dividido sobre por quem torcer no duelo.

“‘Marreta’ tem grandes chances de vencer. Tem a mão dura, pesada, é brasileiro. Torço por ele, sou patriota, é claro, mas eu não queria que ele ganhasse porque eu quero fazer história, eu quero bater no Jon Jones. Então, estou dividido”, destacou Walker, em entrevista coletiva durante o UFC Rio do último sábado (11), que contou com a presença da reportagem da Ag. Fight.

Apesar de já se dizer preparado para disputar o cinturão, Johnny ressalta que há outros lutadores – como Dominick Reyes, atual 5º colocado no ranking da categoria – que estão à frente dele na corrida pelo topo. Deste modo, ele projeta enfrentar outros atletas ranqueados antes de se credenciar como desafiante ao título.

“Quero bater no Jon Jones agora, mas qualquer um que botar eu vou aceitar. Eu prefiro alguém do top 5, mas se for top 10 também… Eu estou em 12º no ranking. Qualquer um acima de mim eu aceito, mas eu quero bater no Jon Jones. Mas não quero tomar o espaço de ninguém. Tem gente que merece mais do que eu, então eu tenho muito trabalho ainda para mostrar e vou conquistar o meu espaço”, projetou.

Antes disso, no entanto, Walker precisa se recuperar da lesão que ocorreu em seu ombro durante a comemoração da vitória sobre Misha Cirkunov, em março. E, para evitar que tal imprevisto volte a ocorrer, o lutador prometeu treinar as celebrações. “Tenho que treinar, né? Estou me machucando na comemoração e não na luta. Então tenho que treinar onde está a falha, e a falha até agora é na comemoração (risos)”, concluiu.

Aos 27 anos, Johnny estreou no UFC em novembro de 2018, com nocaute sobre Khalil Rountree ainda no primeiro round. Depois disso, ele voltou a vencer seus oponentes no assalto inicial, o que o fez receber elogios até mesmo de Dana White, presidente do Ultimate. Ao longo da carreira profissional no MMA, Walker soma, até o momento, 17 vitórias e três derrotas no cartel.