‘Capoeira’ exalta posição de destaque em card e manda recado para novo campeão do UFC

Elizeu ‘Capoeira’ venceu Luigi Vendramini em sua última luta – Leandro Bernardes/Ag Fight

No último mês, a categoria dos meio-médios (77 kg) do Ultimate sofreu uma série de mudanças que reestruturaram a dinâmica da divisão. A aposentadoria de Georges St-Pierre e o fim do reinado de Tyron Woodley abriram portas para atletas em ascensão, pelo menos na visão de Elizeu ‘Capoeira’. O brasileiro prevê uma maior rotatividade entre os lutadores de elite de sua divisão de peso – cenário que pode alçá-lo a posição de destaque que tanto almeja.

Assim como a própria categoria em que compete, Elizeu está diante de uma situação pouco comum. Normalmente escalado em combates de menor importância dentro dos shows, o brasileiro protagonizará pela primeira vez na carreira o co-main de um card do UFC. Inclusive, o paranaense aproveitou a posição de maior visibilidade às vésperas do evento deste sábado (9) para cobrar uma postura diferente do mais novo campeão meio-médio, Kamaru Usman.

“Com certeza, acredito que a minha categoria é a mais movimentada – 70 kg e 77 kg. O que a gente espera é que os defensores de títulos estejam mais ativos, né? St-Pierre é um cara que fez um legado muito bom, mas não fazia tantas defesas de cinturão, o próprio Tyron Woodley também. Agora com o Kamaru Usman, espero que ele faça mais defesas, e prove ser o campeão que demonstrou na última luta. Então acho que a rotatividade entre os campeões da categoria vai ser muito grande a partir de agora”, analisou Capoeira, antes de exaltar a importância de fazer parte de um co-main event.

“Com certeza, fazer o co-main event, me sinto muito honrado de estar me apresentando na segunda luta mais importante da noite. Era um objetivo que a gente tinha, de eu estar fazendo ali as lutas principais, estar melhor posicionado dentro dos cards. E hoje poder estar fazendo o co-main event no sábado, para mim está sendo uma felicidade de mais um objetivo alcançado. Vejo sim (como algo que possa alavancar a carreira), o próprio UFC já está me olhando de uma forma diferente, e também os fãs, pessoas que ainda não tiveram tanto contato com o meu trabalho, estarem vendo de uma forma diferenciada”, completou, em entrevista exclusiva à Ag Fight.

Diante de um cenário de mudanças, uma coisa parece não abandonar Elizeu: a falta de prestígio. Dono de uma sequência de seis vitórias no Ultimate, o brasileiro pede por adversários melhores ranqueados – mas sem sucesso. E no UFC Wichita não foi diferente. Apesar de vir em um bom momento assim como Capoeira, Curtis Millendes, seu rival neste sábado, não figura na lista dos melhores atletas da divisão.

No entanto, isso parece não abalar o otimismo do paranaense. Atual número 14 do ranking, Capoeira aposta que uma vitória na segunda luta mais importante do card principal possa significar uma virada de chave em sua carreira, e atrair oponentes de maior calibre.

“Acredito que uma vitória vai estar me credenciando para grandes desafios, acho que alguém ali do top 5 provavelmente. Sinceramente não tenho nenhum nome em mente, desde que seja alguém ali no top 5, já pedi vários atletas e não fui correspondido. Espero um atleta mais bem colocado”, projetou Elizeu, antes de responder uma provocação feita por Curtis em suas redes sociais.

“Falar é fácil, né? Vamos ver no dia da luta o que vai acontecer. Ele nunca pegou um cara com meu estilo de luta na verdade. Sou um cara que me adapto no octógono onde o jogo está favorável para mim. Então acho que vai ser uma grande luta sim. Provocações sempre tem, né? Só espero que ele venha mesmo com toda essa vontade, porque tudo que vem de lá, aqui vem em dobro”, concluiu o confiante brasileiro sua conversa com a Ag Fight.

Além de Capoeira, outros dois brasileiros entrarão em ação neste sábado. ‘Serginho’ Moraes encara Anthony Martin pelo card preliminar, enquanto Júnior ‘Cigano’ faz a luta principal da noite contra Derrick Lewis.