Askren critica Usman e Colby por fracasso em negociações com UFC: “Idiotas”

Askren tem uma vitória e uma derrota desde que estreou no UFC – Diego Ribas

A passagem de Ben Askren no UFC tem atraído o interesse do público tanto dentro quanto fora do octógono. Por isso, o americano se sente à vontade para analisar as posturas de seus colegas nos bastidores do evento. E, em entrevista ao programa ‘Ariel Helwani’s MMA Show’, ‘Funky’ criticou a capacidade de negociação de dois desafetos, Colby Covington e Kamaru Usman.

Usman, campeão dos meio-médios (77 kg), ainda não fez sua primeira defesa de cinturão. Depois de Covington derrotar Robbie Lawler em agosto, seu nome se tornou o favorito para um confronto contra ‘The Nigerian Nightmare’. No entanto, diante de um impasse nas negociações, o UFC acabou tomando uma decisão incomum. Escolheu, para a luta principal de um card numerado – o UFC 244 – dois atletas que não vão disputar o título: Jorge Masvidal e Nate Diaz.

A situação fez Askren atacar Kamaru e Colby. Segundo o ex-campeão do Bellator e do ONE, os dois atletas se supervalorizam demais, embora não tenham popularidade suficiente para pedir grandes quantias do Ultimate. Ironizando Usman, a quem chama de ‘Marty’, Ben afirmou que o fato de ter o cinturão não faz dele um grande vendedor de pay-per-view – o que inviabiliza o pleito do nigeriano por um pagamento mais robusto.

“Aqueles caras são idiotas. Não é a primeira vez que eu lhe digo que eles foram idiotas, e vocês deveriam ter me ouvido antes. Quero dizer, m****: esses caras, Covington e Kamaru, não conseguem acertar – eu o chamei de Kamaru, e o nome dele é Marty. Do que eu estou falando aqui? Eles não conseguem acertar!”, introduziu.

“Isso não é do UFC. É a minha opinião, o que eu ouvi que aconteceu: Colby Covington diz: ‘Quero muita grana’. Colby, você não vale tanto dinheiro. Sou completamente favorável aos direitos dos lutadores. Acho que os lutadores de MMA como um todo deveriam ser pagos melhor. Mas, ao mesmo tempo, a menos que você seja parte daquele movimento (Project Spearhead, grupo que tentou negociar coletivamente com o Ultimate), você vai ter de lidar com isso individualmente – um contra o UFC”, completou.

De acordo com ‘Funky’, o Ultimate mostrou aos dois atletas que não adianta tentar levar vantagem nas negociações, uma vez que a própria organização conhece os lutadores e sabe do seu potencial de atração do público. Askren declarou que a luta entre Nate e Masvidal, dois favoritos dos fãs, é uma consequência disso.

“Então, Colby vai muito além do que era esperado, e eles dizem: ‘Certo, cara, dá o fora. Você não vale nem perto disso’. Ele não é nem de perto tão popular quanto você pensa. Então, (diz o UFC): ‘Colby, dá o fora. Vamos trazer Jorge’. Aí Marty diz: ‘Bem, se eu vou enfrentar Jorge, quero mais dinheiro!’. E eles dizem: ‘O quê? Ninguém dá a mínima sobre ver você lutar, Marty. Cai fora daqui!’. E então eles fizeram Jorge contra Nate na luta principal, a luta pela qual as pessoas estão empolgadas”, encerrou.

Nate Diaz e Jorge Masvidal se enfrentam no dia 2 de novembro, pelo UFC 244. O evento vai contar com outras grandes lutas, como Kelvin Gastelum vs Darren Till e Stephen Thompson vs Vicente Luque, ambas no peso-meio-médio (77 kg), além de Johnny Walker vs Corey Anderson, pela categoria dos meio-pesados (93 kg). Askren, por sua vez, retorna ao octógono contra Demian Maia, no dia 26 de outubro. Em seu último compromisso, ele perdeu para Masvidal naquele que foi o nocaute mais rápido da história do Ultimate: 5s.