Árbitro brasileiro causa polêmica ao interromper luta principal do UFC Oklahoma

Na luta principal da noite do UFC Oklahoma, evento realizado neste domingo (25), os pesos-leves (70 kg) Michael Chiesa e Kevin Lee colocaram toda a rivalidade em jogo e, depois de cinco minutos de ação, a polêmica entre eles apenas aumentou. E graças ao árbitro brasileiro Mario Yamasaki.

Melhor no início, Chiesa, especialista em jiu-jitsu acertou golpes em pé e, ao cair por baixo, quase encaixou um triângulo. Mas, afoito, o americano tentou aplicar uma chave de braço que permitiu ao oponente passar sua guarda e pegar as costas. E de lá o final do combate foi decretado.

Depois de punir Chiesa com fortes golpes, Lee encaixou um mata-leão que, justo, dava a entender que o final do confronto estava próximo. No entanto, o árbitro brasileiro pareceu entender que o atleta havia desmaiado e interrompeu a disputa, para insatisfação da plateia, que passou a vaiar de forma ensurdecedora.

“Eu estava tentando defender o braço dele. Não vou falar nada do árbitro. Mas, Lee, te vejo em dezembro em Detroit”, clamou Chiesa por uma revanche.

Ex-campeões decepcionam

Ainda no card principal, dois atletas deixaram a desejar apesar do currículo invejável e colocaram em xeque suas próprias carreiras. Ex-campeões, Johnny Hendricks e BJ Penn não renderam o esperado e acabaram derrotados no cage em apresentações que levantam dúvidas sobre os próximos passos de cada um deles no octógono.

Ex-número um dos meio-médios (77 kg), Hendricks, que a partir de 2015 enfrentou diversos problemas com a balança e que recentemente subiu para os médios (84 kg), não bateu o peso correto de sua categoria no último sábado e, visivelmente fora de forma, não viu a cor a bola diante de Tim Boetsch.

Menor, com menos envergadura e lento, o wrestler tentou caçar o rival no primeiro assalto, mas sempre foi recebido por uma combinação de chutes baixos e altos que o mantiveram à distância. Para completar, diretos de encontro deixaram o ex-campeão desnorteado e visivelmente cansado para o segundo assalto.

Com movimentação limitada, Hendricks foi encurralado e, após descuido de movimentação, recebeu um knockdown com um chute alto de direita. Na sequência, Tim Boetsch conectou forte ground and pound e obrigou o árbitro a interromper a disputa.

Fim de uma era

Todos sabem que é difícil parar. No entanto, contra fatos não há argumentos e parece que a aposentadoria de BJ Penn (a terceira em sua carreira) deve ser oficializada em breve. Sem vencer desde 2010, o havaiano deu uma pausa na lista de tops das categorias em que compete e, mesmo enfrentando um rival longe do topo, acabou superado por pontos.

Apesar de aplicar um knockdown e proporcionar dois rounds parelhos, Penn, ex-campeão dos meio-médios (77 kg) e dos leves (70 kg) cansou de novo e se tornou alvo fixo na terceira e última etapa. Desta forma, ao ser superado por decisão majoritária (um dos árbitros marcou empate) pelo rival da mesma idade, não resta mais argumentos para que o membro do Hall da Fama ainda sonhe em chegar ao topo dos pesos-penas (66 kg).

Confira os resultados do UFC Oklahoma:

Kevin Lee venceu Michael Chiesa por interrupção do árbitro;
Tim Boetsch nocauteou Johny Hendricks no 2º round;
Felice Herrig venceu Justine Kish por decisão unânime;
Dominick Reyes nocauteou Joachim Christensen  no 1º round;
Tim Means venceu Alex Garcia por decisão unânime;
Dennis Siver venceu B.J. Penn por decisão majoritária;
Clay Guida venceu Erik Koch por decisão unânime;
Marvin Vettori venceu Vitor Miranda por decisão unânime;
Carla Esparza venceu Maryna Moroz por decisão unânime;
Darrell Horcher venceu Devin Powell por decisão dividida;
Jared Gordon nocauteou Michel Quiñones no 2º round;
Tony Martin venceu Johnny Case por decisão unânime;
Jeremy Kimball nocauteou Josh Stansbury no 1º round.

Após mais de um ano de especulação, uma superluta de boxe entre Conor McGregor e Floyd Mayweather Jr. foi marcada para o próximo dia 26 de agosto, em Las Vegas (EUA). Possivelmente o evento mais esperado do ano, o duelo é o assunto do momento e contará com fatos inéditos. Veja dez pontos-chaves para entender tudo sobre o combate - Reprodução
Se em 2016 McGregor se tornou o atleta mais pego do UFC ao receber um total de 7,7 milhões de dólares (cerca de R$ 25 milhões, na época) pelas três lutas que participou, o duelo de boxe Mayweather promete ultrapassar e muito essa quantia. De acordo com o presidente do UFC, Dana White, o irlandês receberá cerca de 100 milhões de dólares (cerca de R$ 328 milhões) - Leandro Bernardes Lopes
A marcação de uma das lutas mais aguardadas dos últimos tempos empolgou Dana White, que chegou a afirmar que esse evento será o recorde de pay-per-view na história do mundo da luta. Contudo, a meta não é fácil: atualmente, o duelo entre Mayweather e Pacquiao foi o maior com 4,6 milhões de venda de PPV - Reprodução
Pela primeira vez na história, veremos um lutador de MMA renomado participar de um duelo de boxe de alto nível. O caminho inverso já foi trilhado por alguns atletas como James Toney e Holly Holm, no entanto, o feito de McGregor será inédito no esporte - Diego Ribas
Acostumado a se apresentar sempre em maio e setembro - quando realiza as suas lutas em feriados -, Mayweather fará algo que não acontece desde 2007: subirá no ringue em outro mês do ano. E, curiosamente, essa será a primeira luta da carreira do veterano no mês de agosto - Diego Ribas
Com a marcação da superluta entre McGregor e Mayweather, todos os holofotes do mundo da luta se voltaram para os astros do esporte - o que acabou prejudicando muita gente. Além do duelo entre Gennady Golovkin e Canelo Alvarez ter ficado em segundo plano, diversos eventos do Ultimate, que contarão com defesas de cinturão como os shows de números 213 e 214, também perderam apelo - Reprodução
Pelo visto, tem muita gente querendo tirar uma casquinha de McGregor e participar de alguma forma do card liderado pelo irlandês e por Mayweather. Logo após o anúncio, alguns atletas do Ultimate se ofereceram para lutar no evento: Stipe Miocic, Cris 'Cyborg', Cub Swanson e Wilson Reis deixaram claro que estão à disposição - Inovafoto
Acostumado a lutar sempre no Madison Square Garden - que era apelidado de 'Champs House' em homenagem ao ex-campeão mundial -, Mayweather fará a sua primeira apresentação na T-Mobile Arena. Curiosamente, o ginásio foi batizado em março passado como a 'casa' do UFC - Rigel Salazar
Empatado com Rocky Marciano como os atletas invictos com mais números de vitórias - os dois boxeadores colecionam um cartel com 49 triunfos e nenhuma derrota -, Mayweather terá a oportunidade de ultrapassar o falecido pugilista - Reprodução/USA Today
Apesar da USADA (agência americana de controle antidopagem) não ser a entidade responsável por fiscalizar o doping no boxe profissional, Mayweather concordou em ser testado pelo órgão - Reprodução/Facebook
Produzido pela 'Mayweather Promotions', o duelo entre McGregor e Mayweather não conta com a participação do UFC na promoção do evento - o Ultimate participará apenas como coadjuvante. Tanto que, o logo do torneio de MMA nem sequer aparece no cartaz do evento. O espetáculo será transmitido pelo canal 'Showtime Boxing' - Reprodução/Twitter

Deixar uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.