Antonina Shevchenko explica interrupção tardia do árbitro no UFC Newark e ‘cutuca’ rival

Ao colocar Lucie Pudilova para ‘dormir’ no UFC Newark, no último sábado (3), Antonina Shevchenko provou que seu nível na luta agarrada é melhor do que os críticos e a própria oponente pensavam. Na coletiva de imprensa após o evento, a atleta explicou que não percebeu o desmaio da tcheca e eximiu de culpa o árbitro. Além disso, a lutadora deu a entender que a adversária deveria ter dado os ‘três tapinhas’.

Com o ‘mata-leão’ muito bem encaixado no segundo assalto, Pudilova optou por tentar se defender e não desistir da luta. No entanto, a lutadora tcheca acabou ‘dormindo’ com o golpe. Sem conseguir notar a tempo, o árbitro demorou alguns segundos para intervir e declarar o combate encerrado. Ao ser perguntada sobre o atraso na paralisação, ‘La Pantera’ afirmou que o fato da adversária ter ficado em uma posição de difícil visibilidade atrapalhou a ação do juiz e aproveitou para ‘cutucar’ a rival.

“Ela estava de barriga para baixo e eu por cima dela. Nós não conseguíamos ver seu rosto, eu apenas ouvia os sons que ela fazia com dificuldades para respirar. Eu não conseguia sentir se ela estava se defendendo ou apenas deitada. Acredito que o árbitro também não pôde ver porque ela estava escondida na posição. Mas ela não bateu e foi até o final. Era o que ela queria”, analisou.

Shevchenko havia sido derrotada por Roxanne Modafferi, em abril deste ano, perdendo sua invencibilidade na carreira. No combate, a lutadora teve dificuldades na parte de grappling. Melhor preparada dessa vez e sabendo que a adversária poderia utilizar do seu ponto fraco para buscar a vitória, a irmã da campeã da categoria foi capaz de ter um desempenho melhor na luta agarrada, conquistando seu primeiro triunfo por finalização no MMA.

“Muito feliz por ter conseguido a finalização. Com certeza eu calei os que duvidavam do meu grappling. Apesar de ser uma boa striker, ela viu meu combate anterior e focou na luta agarrada para tentar me vencer, mas esqueceu de se defender. Eu estava pronta para tudo”, concluiu.

A irmã mais velha de Valentina Shevchenko, atual campeã peso-mosca (57 kg) feminino do Ultimate, possui em seu cartel profissional oito vitórias e apenas um réves. Pelo UFC, a lutadora, nascida no Quirguistão, triunfou em duas de suas três lutas.