Antes de segunda luta no UFC, Bontorin relembra estreia contra rival “sujo”

Bontorin triunfou em sua estreia na maior organização de MMA do mundo – Leandro Bernardes

Vindo de vitória sobre Magomed Bibulatov em sua estreia, no UFC Fortaleza, Rogério Bontorin encara Raulian Paiva no próximo sábado (10), em Montevidéu (URU). Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight, o paranaense comentou sobre as lições aprendidas após a estreia difícil e reclamou da falta de disciplina e ética do russo.

Rogério iniciou sua trajetória na organização em fevereiro deste ano, ao vencer, na decisão dividida dos jurados, Magomed Bibulatov em um combate duro. Ainda fazendo a parte física do treinamento na fazenda em que mora e a parte técnica na ‘Gile Ribeiro Team’, em Curitiba, o lutador admitiu que está focado em melhorar seu striking e aproveitou para condenar o jogo “sujo” do russo.

“Preciso melhorar a trocação. Eu me atrapalhei um pouco na estreia. Estou sempre em busca da evolução em todas as partes do jogo, seja na luta em pé, no jiu-jitsu ou no wrestling. Mas eu só não finalizei o russo porque ele ficou torcendo o meu dedo e agarrando o meu calção. O cara não bateu o peso e fez isso na luta. Temos poucas regras no esporte e ele ainda conseguiu quebrar quase todas. Primeira vez que eu enfrentei um cara tão sujo”, declarou.

Rogério fez a maior parte da sua carreira no MMA em solo nacional, confrontando brasileiros. Focado no seu próximo oponente, Raulian Paiva, o lutador declarou que sabe do seu compromisso de lutar contra qualquer rival escolhido pelo evento, mas expressou sua predileção por adversários estrangeiros.

“Sou contratado. Tenho que fazer o que eles me propõem. Fiquei um pouco chateado por ser um compatriota. Achei que no Ultimate eu ia tirar umas férias dos brasileiros, mas aconteceu”, lamentou.

Bontorin, que compete no peso-mosca (57 kg) pelo UFC, relembrou que originalmente lutava no peso-galo (61 kg) ao comentar que estava tranquilo durante a indefinição sobre a permanência da divisão na organização. De acordo com ele, uma possível volta à sua categoria original seria vista com bons olhos, já que considera muito difícil a missão de perder peso para lutar nos moscas.

“Na verdade, eu sou peso-galo. Entrei nos moscas porque era a vaga que tinha no UFC. Estava tranquilo com a indefinição da categoria. Se acabasse, eu tentaria voltar à minha divisão de origem. Meu peso normal é 75 kg. Bater o peso nos moscas é quase impossível, não sei como eu consigo. Se aparecer um combate nos galos será bem vindo”, concluiu.

Rogério Bontorin vem de três vitórias consecutivas na carreira. No total, são 15 triunfos, uma derrota e um ‘no contest’ (combate sem resultado). Seu adversário no sábado (10), Raulian Paiva, estreou com derrota no Ultimate para Kai Kara-France, em fevereiro de 2019. Foi apenas o segundo revés do amapaense em 20 combates no MMA profissional. Ambos os lutadores foram contratados pelo UFC através da edição brasileira do programa ‘Contender Series’.