‘Jacaré’ recorda bom retrospecto contra rivais mais pesados antes de mudança de divisão

Ronaldo ‘Jacaré’ vai fazer a luta principal do UFC São Paulo, em novembro – Marcel Alcântara

Desde que começou a escrever a história de sua carreira nos principais eventos de MMA, Ronaldo ‘Jacaré’ sempre atuou na categoria peso-médio (84 kg). Foi nessa divisão que ele chegou ao título do extinto Strikeforce e onde também venceu seus principais adversários no Ultimate. No entanto, o brasileiro agora vai em busca de um novo desafio. Escalado para a luta principal do UFC São Paulo, dia 16 de novembro, o lutador fará sua estreia entre os meio-pesados (93 kg) contra Jan Blachowicz, desafio este que não parece incomodar o experiente atleta de 39 anos.

Apesar da maioria dos lutadores apontarem desvantagens ao enfrentar adversários maiores e mais pesados no octógono, ‘Jacaré’, durante entrevista no media day realizado em São Paulo, nesta quarta-feira (25), encarou o desafio de forma otimista. Para isso, o veterano recordou do bom retrospecto contra oponentes maiores em competições de jiu-jitsu.

“Sempre treinei com (lutadores) pesados. Luto melhor contra os mais pesados. Se você vir meus títulos no jiu-jitsu, tenho mais no absoluto (sem limite de peso) do que na minha categoria. Tenho bom recorde contra rivais mais pesados”, relembrou, orgulhoso, o outrora peso-médio.

Fora do período de competição, ‘Jacaré’ chega a andar com aproximadamente 100 kg. Por isso,  para alcançar o limite da divisão dos médios, que é 84.350 kg, o processo de perda de peso se tornou em uma rotina desgastante. No entante, o novo fator que o permite chegar aos 93 kg no dia anterior à luta fez com que a decisão de aceitar o convite do UFC e mudar de divisão fosse natural.

“Me perguntaram se tinha problema de lutar nos meio-pesados, respondi que não tinha desde que me dessem um bom adversário, que para mim estava bom. Aí me mostraram ele, essa encrenca e eu respondi: ‘Com certeza’. Problema é comigo mesmo que eu tento resolver (risos). Falei com meu novo empresário, o Dedé Pederneiras, e ele disse que era a boa subir de peso. Meu treinador também disse que não tinha problemas e aceitei isso”, revelou, complementando que deve permanecer nos meio-pesados após esta luta.

“Acredito que sim (vai ficar na categoria). A categoria dos médios é muito embolada, toda vez eu peço um lutador e não acontece, tira minha motivação. Aí eu estou no top 5 e me dão o décimo. Isso me deixou chateado, mas são coisas do esporte. Fiquei feliz de voltar a lutar a agradeço a confiança do UFC. Me deram logo um top 5, cogitado para lutar com o Jon Jones. Ele bateu em todos os médios que subiu. Fico feliz com esse desafio”.

Encarada entre Jan Blachowicz e Ronaldo ‘Jacaré’, em São Paulo – Marcel Alcântara

Durante os últimos anos, o rei da cateoria dos meio-pesados é o americano Jon Jones. Depois de conquistar o título em 2011, contra Maurício ‘Shogun’, ‘Bones’ passou longe de ser derrotado e enfileirou uma renomada lista de ex-campeões que o tentaram destronar. Cauteloso, ‘Jacaré’ ainda não cogita uma luta contra o campeão dos meio-pesados e opta por elogiar seu próximo adversário, garantindo assim foco total no polonês.

“Olha a pedreira que vou lutar. Só de olhar para a cara dele fica complicado (risos). Mas estou feliz de lutar, um main event no Brasil. Isso é demais. Será uma luta boa, tenho plenas chances de vencer, e vencer bem. (…) Estou focado no meu treinamento, meu jogo. Ele é muito complicado de lutar, defende muito, tem uma mão dura, chuta com a esquerda rápido. A mão esquerda da frente é muito dura também. É um adversário duríssimo e todo cuidado é pouco. Meu plano é colocar meu jiu-jitsu em prática”, contou Ronaldo.

No seu último compromisso, ‘Jacaré’ acabou surpreendido e derrotado por Jack Hermansson, em abril deste ano, por decisão unânime dos jurados. A promessa era que, caso passasse pelo sueco, o brasileiro receberia a chance de lutar pelo título dos médios. Com o revés, o atleta chegou a ser diagnosticado com depressão e passou a buscar ajuda psicológica.

“Sou crente, minha família é toda cristã. Então nesses momentos (difíceis) a gente busca a palavra, saber mais de Deus. E a palavra que vinha neste momento era: continua. Minha esposa agilizou uma psicóloga para mim. Eu estava sem vontade de treinar, ia para a academia sem querer, até chorava no carro nessas horas. Não sabia o que estava acontecendo. Demos o primeiro passo buscando uma profissional, fiz as sessões e melhorei. Comecei a ir para a academia, mesmo sem vontade, mas ia. Aí a vontade de lutar e treinar apareceu de novo e me deram a chance de lutar em São Paulo”, completou.

Com 39 anos, Ronaldo ‘Jacaré’ tem 26 vitórias e sete derrotas na carreira como profissional de MMA. No Ultimate, o brasileiro, que chegou a ficar invicto durante cinco lutas, no período de 2013 a 2015, anotou nove triunfos e quatro reveses.