Integrante do ‘Hall da Fama’ do UFC critica Dillashaw: “Trapaceiro desgraçado”

Matt Serra foi introduzido no ‘Hall da Fama’ do Ultimate em julho de 2018 – Diego Ribas

Matt Serra criticou duramente TJ Dillashaw após o ex-campeão dos pesos-galos (61 kg) do UFC ter sido condenado a dois anos de suspensão por falhar em exame antidoping. De acordo com o integrante do ‘Hall da Fama’ do Ultimate, o uso de substâncias proibidas pode ter influenciado nas vitórias do californiano. Deste modo, o agora treinador apontou que as consequências disso nas carreiras dos atletas superados por TJ podem ser irreversíveis.

Em entrevista ao podcast ‘UFC Unfiltered’, Serra utilizou Cody Garbrandt – que estava invicto na carreira profissional no MMA antes de enfrentar Dillashaw – como exemplo. Em 2017, TJ tomou o cinturão do rival que, desde então, não conseguiu reencontrar o caminho das vitórias. Com três derrotas consecutivas, o atleta da ‘Team Alpha Male’ saiu do topo do ranking para a modesta sexta posição na lista. E, segundo Matt, caso o californiano estivesse ‘limpo’, a história poderia ter sido diferente.

“Eu realmente sinto por Cody. Eu sinto – porque naquela primeira luta, na primeira, ele machucou (Dillashaw) também. Ele quase acabou com ele. Talvez essa ligeira vantagem fosse porque ele é um trapaceiro desgraçado. (…) Cody Garbrandt – quem sabe das consequências disso para o resto de sua carreira? O que fazer sobre isso, T.J.? Quais as consequências para a carreira deste garoto de ter sido derrotado duas vezes por um trapaceiro desgraçado?”, questionou, antes de continuar o desabafo contra o ex-campeão dos galos.

“Ele (Garbrandt) pode não ter mais tanto tempo de carreira, então ele pode não ter mais tantas opções para conseguir o dinheiro que ele teria ganho. Isso soa dramático, mas essa é a m**** da verdade. Então, vai se f****, T.J. Isso é uma m****. Isso é nojento. Nada do que eu disser será suficiente. Todo mundo que já foi derrotado por ele deve estar furioso e, ao mesmo tempo, olhando para si mesmo e dizendo: ‘Tudo bem. Agora faz sentido”, completou.

Aos 27 anos, Cody conquistou o cinturão do UFC em 2016, após bater Dominick Cruz. Entretanto, ele perdeu o título em sua primeira defesa do título, contra Dillashaw. Depois disso, teve uma nova chance de reaver o posto, mas sucumbiu novamente diante de TJ. Ao longo da carreira profissional como atleta de MMA, Garbrandt somou 11 triunfos e três derrotas – a última delas para Pedro Munhoz, em março.