Glover Teixeira credita boa fase a menos treinos e ajuda de instituto do UFC

Glover Teixeira enfrenta Nikita Krylov neste sábado – Leandro Bernardes

A vida de atleta de alto nível pressupõe treino em volume e intensidade muito fortes. No entanto, beirando os 40 anos, às vezes o desgaste ao corpo acaba jogando contra o lutador. E este parece ser o caso de Glover Teixeira, que, aos 39, reencontrou a boa fase ao diminuir o ritmo de suas atividades na academia, a fim de chegar mais ‘inteiro’ nas lutas. Neste sábado (14), no UFC Canadá, o brasileiro luta contra Nikita Krylov rumo à terceira vitória consecutiva. E, de acordo com o veterano, a boa fase tem como justificativa a adaptação dos treinamentos à sua idade e um auxílio do UFC Performance Institute (UFC PI).

A instalação do Ultimate, sediada na cidade de Las Vegas (EUA), oferece recursos de última geração para a melhora do desempenho dos atletas, além de espaços para treinamentos das mais diversas artes marciais. De acordo com Glover, a passagem pelo local o fez ajustar detalhes muito importantes de sua preparação.

“Acompanhar o ritmo da galera. Eu fui no UFC PI, fiz alguns testes, alguns trabalhos com os caras. Me ajudaram bastante. É aquele negócio: a gente não arruma o que não está quebrado. E quando começa a quebrar, que eu comecei a perder, comecei a procurar soluções diferentes, procurar ajudas diferentes. O UFC PI deu uma ajuda grande. Sentei com meus treinadores e a gente conversou bastante sobre o treinamento… Acho que eu estava treinando muito e estava entrando com lesão… Não entrei 100%, (estava) com um ombro machucado, um joelho dolorido. Depende muito do treino”, explicou, em entrevista exclusiva à Ag. Fight.

Teixeira afirmou ainda que espera enfrentar um top-5 da categoria se vencer Krylov no sábado. Para o mineiro, a meta continua sendo disputar o título dos meio-pesado (93 kg) – o que já aconteceu em 2014, quando perdeu por decisão unânime para Jon Jones, atual campeão.

“Com certeza. A gente tem de ter um objetivo para qualquer coisa que faz. E o objetivo de ser um lutador é o cinturão. Nunca vou tirar isso da minha cabeça: sempre vou visualizar o cinturão. É um sonho, e não importa a idade, o negócio é sonhar e fazer o possível. A gente pode controlar os esforços e os treinamentos. A única coisa que a gente não controla é o resultado da luta,então é fazer o melhor possível para poder chegar lá”, declarou.

Glover vem de vitórias sobre Karl Roberson e Ion Cutelaba em seus últimos confrontos. A luta principal do UFC Canadá será entre Justin Gaethje e Donald Cerrone.