Garbrandt critica métodos dos exames da USADA: “Vamos legalizar tudo”

Cody Garbrandt tem sido um dos mais ferrenhos críticos da atuação da USADA (agência antidoping americana). O ex-campeão do peso-galo (61 kg) do UFC tem usado como exemplo dos seus ataques o flagra de TJ Dillashaw com eritropoetina em seu sangue. ‘No Love’ considera um erro grave da entidade o fato de que TJ tenha sido testado pela primeira vez para a substância — também conhecida como EPO — justamente quando foi pego, em janeiro deste ano.

Garbrandt, arquirrival de Dillashaw, alega que seu adversário lutou dopado nos dois combates que fizeram: o primeiro em 2017 e o segundo em 2018. Em entrevista coletiva da qual a Ag. Fight participou no UFC Sacramento, no último sábado (13), Cody reclamou da demora da USADA em testar o ex-companheiro de Team Alpha Male.

“Ele roubou muito de mim. Eu não fiquei surpreso, de maneira alguma. Eu fiquei surpreso que foi a primeira vez que a USADA o testou para EPO. Eu disse em — foi em 2017? — que eu queria testes mais invasivos. Temos que registrar onde vamos. Temos de abrir a porta às 6h, urina, sangue, tudo, anotar todos os suplementos que usamos. Não deveria haver limites ou picos ou isso e aquilo. Ou você trapaceia ou não”, disse.

“A primeira vez que ele foi testado para EPO foi quando ele enfrentou Henry? É uma loucura. O que eles estão testando? Não estamos lá colocando esteroides e ficando grandes. Eles estão se aplicando EPO, estão fazendo todo tipo de m**** para o cardio. Eu sabia disso. Eu sabia que TJ estava usando aquilo e era por isso que eu pedia testes mais invasivos. Ele está usando isso há cinco, seis anos. E não é a única coisa que ele usa. Há muitos outros lutadores que estão usando, também. Então, se você for colocar uma linha do que podemos fazer ou de como podemos ser testados — ‘não é possível guardar essa amostra’, ‘não podemos detectar EPO’ —, então estamos sendo testados para o quê? Vamos legalizar tudo, ficarmos todos bombados e vamos lá f**** uns aos outros”, falou.

Garbrandt tem criticado o fato de que a USADA alega não conseguir examinar a presença de EPO em todos os testes. Além disso, ele chegou a cobrar que a entidade testasse para eritropoetina as amostras coletadas antes das suas lutas contra TJ. A agência, entretanto, afirmou que não tem como guardar todos os materiais.